São Lourenço Atual - Notícias de São Lourenço e Região - MG

Terça-feira, 18 de Junho de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Geral

Luiz Ayres o, desafeto, depois o afeto...

Nunca prometeu as namoradas, casamento...

José Luiz Ayres
Por José Luiz Ayres
Luiz Ayres o, desafeto, depois o afeto...
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Luiz  Ayres  o desafeto e depois...o afeto

Luiz Ayres, meu inesquecível e saudoso pai, em determinada ocasião, retornava mais uma vez de sua estafante e exaustiva jornada profissional, após semanas de visitações aos seus amigos comerciantes   pelo interior mineiro, de mais uma bem sucedida etapa de boas vendas, a bordo do trem a caminho do Rio de janeiro procedente de Alfenas, chega ao entroncamento ferroviário em Ibatuba, ( atual cidade de Soledade de Minas) no intuito de baldear-se ao expresso de Três Corações rumo a Cruzeiro, SP, .

Depois de retirar suas canastras de mostruários no vagão de cargas, adquirir nova passagem e proceder a expedição das canastras, após um café com broa de milho, ocupa-se de um dos bancos à plataforma e fica  a curtir a movimentação da estação, cujo o trânsito de pessoas mantinha-se bem expressivo. Afinal ali era um entroncamento a atender a três ramais férreos.

Publicidade

Leia Também:

Com o tempo passando, já que o seu embarque previa duas horas de espera, absorto a apreciar a tudo, de repente vê no quiosque do café, aquela figura do velho conhecido cidadão, de nome Armênio, trajando um dos seus surrados paletós de linho perolado, bem como sobre a cabeça o castigado chapéu branco a conversar com uma mulher, que pela gesticulação demonstrava que algo de anormal ocorria, pois a mulher sempre a menear negativamente a cabeça, mostrava-se furiosa. Observando aquele momento conflituoso por possível desentendimento, a mulher tenta segurar um volumoso embrulho sobre o balcão, mas Armênio a contém, empurrando-a, que desequilibrada e trôpega se apoia no quiosque. Diante da cena covarde e talvez com receio do ato praticado ter repercussão, o “coroa” retira do bolso do paletó sua carteira a sacar algumas cédulas e tenta entregá-la, que irada se recusa em receber. Num gesto abrupto, retira sobre o balcão o embrulho e empunhando  sua pasta,  segue apressado com a mulher a segui-lo, tentando detê-lo a puxar o paletó. Só que ao se introduzir no toalete, a mulher deteve-se permanecendo à porta a lamuriar-se.   Visivelmente irada, retorna e vem sentar-se ao banco onde Luiz se encontrava. Apreciando a confusão, Luiz a indaga da “desassossegada criatura” o que o velho Armênio a deixou  tão contrariada. Com um ar de espanto pela indagação, ela retruca: -  Você o conhece este safado? Pois é, ele comprou a máquina de costura que era de minha avó em troca  de uma nova e não cumpriu com a palavra, dizendo  que compraria uma nova no Rio de Janeiro, já que em Varginha não tinha e quis me pagar em dinheiro, o que não aceitei e quero de volta a minha velha, que se recusa em devolver-me.

Ciente da encrenca, Luiz sai à procura de Armênio. Não demorou, já de retorno passou à sofrida mulher o embrulho que envolvia a velha máquina. Abismada, após constatar ser o equipamento, fala: - E esta mesmo moço, como a conseguiu?  Sorridente, Luiz após menear a cabeça lhe fala: - Moça, este homem é bem conhecido  por essas bandas cruzando estas estações. Não há ferroviário que não o conheça pelos golpes aplicados aos incautos interioranos, levado por suas lábias e promessas vans. Ele vive disso, pois possui no Rio de Janeiro um depósito de antiguidades, onde revende os objetos adquiridos desta maneira como fez com você. Agora chama-lo de safado, eu não me atrevo, por nunca ter negociado ou adquirido qualquer objeto seu, já que dispenso a sua companhia. Às vezes que com ele cruzo nas estações, esta  sempre metido em confusões.

A mulher de nome Clotilde, como se deu a conhecer, um tanto interrogativa e talvez curiosa, perguntou então como conseguira obter a máquina de volta?  Sorrindo, Luiz diz: - Apenas  me apresentei como sendo o seu marido e a exigir que devolvesse o embrulho, pois do contrário o tomaria pela força e não me responsabilizaria pelas possíveis consequências.

Clotilde, já sorrindo, desprovida da tensão que teve, com certa malícia quase de forma sussurrante, diz:- Obrigada moço..., só lamento que o que disse ao safado não seja verdade. Erguendo-se do banco, encara Luiz  e o beija na face. Mas, ai sim, sussurra de fato ao pé do seu ouvido: - Que homem bonito você é. Quer se casar comigo?  Deixando o local, lá se foi Clotilde carregando sua máquina, acometida talvez de suspiros de amor e a imaginar por românticos devaneios, a ter Luiz como seu marido!!!. Segundo Luiz me revelou. Sempre que passava por aquela região, nunca deixou de estar com Clotilde, afinal ela sempre esteve com Luiz ,até em várias  viagens  de Luiz em suas vendas e visitas aos amigos comerciantes, onde a apresentava como sua “noiva” .Clotilde até foi presenteada por seu amigo Luiz, com uma bela e moderna máquina de costura Singer, a qual lhe valeu por isso, muitos e deliciosos encontros em que, enamorados por quase dois anos, tiveram seus romances ardentes...

Comentários:
José Luiz Ayres

Publicado por:

José Luiz Ayres

Saiba Mais
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!