SÃO LOURENÇO ATUAL

Entrevista Célia Cavalcanti

Conversa sobre política e gestão municipal

A prefeita de São Lourenço, Célia Cavalcanti/Foto: SL Atual

A prefeita de São Lourenço, Célia Cavalcanti, recebeu o São Lourenço Atual em seu gabinete para uma entrevista. Durante a conversa, ela fez uma avaliação do ano de 2018 em relação a política, sobre o afastamento que teve em março e as dificuldades encontradas ao retornar a gestão do município em agosto, a partir da decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Durante a conversa, Célia ainda destacou a expectativa de melhora no relacionamento com a Câmara Municipal, falou sobre a conversa com o vereador eleito presidente da casa legislativa, Waldinei Alves Ferreira, após a eleição dele.

Mesmo com a minoria dos vereadores ao seu lado politicamente em 2018, a chefe do executivo municipal destacou, ainda que com dificuldade, as principais realizações do governo este ano, dentre as várias. A prefeita pregou união em prol da cidade e falou sobre as parcerias firmadas entre o setor público e privado para realizar o I Natal das Águas

São Lourenço Atual: Como a Sra. avalia politicamente o ano de 2018 para São Lourenço? Quais são as expectativas para 2019?

Célia Cavalcanti: Como todos sabem eu fui afastada. Foi um ano difícil. Para a cidade, como um todo, essa interrupção de cinco meses paralisou projetos e muita coisa não andaram. No serviço público a gente tem problemas de prazos que devem ser cumpridos e tudo demanda um certo tempo por causa da burocracia que é grande. Essa foi a minha maior preocupação em relação a 2018 depois que eu retornei: retomar todos os projetos e correr contra o tempo para que a gente pudesse cumprir os prazos.

Em relação a 2019, estou muito esperançosa em todos os quesitos. Politicamente em relação a Câmara. Em relação ao governo do estado a gente tem uma proximidade muito grande com vice-governador, o [Paulo] Brant, com quem já tive duas audiências e temos audiências marcadas para o mês de janeiro. Por outro lado, não me iludo porque sei que vai ser um ano difícil economicamente para o nosso estado como um todo. Estava vendo um vídeo do Vitório Mediolli, prefeito de Betim, falando sobre uma reunião com o [Romeu] Zema e, de certa forma, eles saíram sem uma resposta. É muito difícil o Zema dar uma resposta em relação aos atrasados. Se ele não entrar lá [assumir o governo] e ver como está [a situação do governo], não tem como ele se comprometer. O ano que vem vai ser um ano de trabalho muito consciencioso a respeito, principalmente, da questão econômica, de se acertar com o governo do estado e não ter a Ilusão que ele vai pagar os atrasados. Acho que ele se ele pagar o que tem que pagar em dia já vai ser um grande ganho para os municípios.

SL Atual: Mesmo com a dívida crescente do estado com os municípios e a crise em que vive o país, o poder executivo mandou o orçamento de 2019 com previsão de arrecadação de cerca de R$ 46 milhões a mais do que em 2018. O orçamento sai de R$ 154 milhões e passa para R$ 200 milhões. Como a sua equipe chegou nessa conta? Como a senhora pretende arrecadar mais no ano que vem?

Célia: Essa é uma pergunta muito técnica. Acredito que eles [os técnicos] fazem os cálculos em cima da previsão de IPTU, IGP-M e das previsões que sempre fazem independente se vai vir o recurso ou não. São as previsões que eles fazem contando com o pagamento em dia, então já tem uma ideia do que aumenta na virada do ano em cima do IGP-M. Acredito que tenha sido isso.

SL Atual: O vereador Waldinei Alves Ferreira foi eleito presidente da Câmara Municipal com o discurso de mais diálogo com o poder executivo. Qual a expectativa da senhora na relação com o poder legislativo?

Célia: O [vereador] Nei já esteve aqui para me dar um abraço. Já o conheço há muito tempo. Foi uma das primeiras famílias que conheci quando me mudei para São Lourenço há 30 anos. Ele se mostrou muito aberto em termos diálogo. Já tivemos uma conversa inicial de que os projetos que mandarei [para a Câmara] teremos uma conversa sobre o que se trata. Acredito que vamos ter uma proximidade maior. Os vereadores se mostraram muito abertos. O próprio vereador Ricardo [de Mattos] veio conversar comigo e na rádio disse que estará aberto na Câmara para conversar. O Orlando, o Rodrigo, vice-presidente, também. Estou com muita esperança de conseguir dialogar e chegar em um consenso do que é melhor para a cidade e fazer um bom trabalho.

SL Atual: Mesmo sem a maioria na Câmara Municipal, o seu governo tem desenvolvido bastante e notórias ações, principalmente na área do turismo. Na sua opinião, quais foram as três mais importantes?

Célia: No turismo foi muito importante a gente conseguir resgatar uma política. A parceria com o Convention, que foi o primeiro que a gente conseguiu trazer mais para perto da gente, passamos de R$ 5 mil para R$ 150 mil [o recurso] que ele recebia na gestão passada. Em 2018 repassamos R$ 160 mil. O CDL, agora no final do ano, já acenou e veio fazer uma parceria. No turismo foi uma das ações que eu fiquei muito feliz foram essas parcerias e fazer esse trabalho [Natal das Águas]. Quando falo em união, falo isso. O executivo não tem como fazer tudo sozinho. Quando vem a parceria do público-privado todos ganham com cada um fazendo a sua parte. Um exemplo simples foi o Parque das Águas que enfeitou [para o natal] o Doces Hué e a Estação enfeitaram [seus prédios]. A prefeitura enfeitou a cidade. O CDL e o Convention entraram com as atrações. Quando tem essa união e parceria é muito importante. Para o evento se tornar tradicional e elevar a cidade a nível nacional, ele tem que ter tempo. O Natal Luz de Gramado já existe há 27 anos e o Brasil inteiro já conhece. O meu desejo é que os eventos principais que foram implantados, e a gente está lutando para que aconteça ano a ano, continue independente do prefeito que estiver.

As outras ações que considero importante é na Saúde, que apesar das reclamações ainda existentes, a gente conseguiu acabar com demandas de dois anos atrasados de exames e remédios. A gente está conseguindo, apesar das dificuldades e dívida do estado com a saúde de cerca de R$ 8 milhões. Imagina se a gente tivesse recebido esses R$ 8 milhões o que a gente não teria feito? Eu considero que foi feito um grande trabalho na saúde.

Na educação foi feito um trabalho excelente. São Lourenço tem uma educação de alta qualidade e isso vem sendo implantado de governo a governo. Eu não vou falar que foi só no meu governo. Eu fui em uma formatura e a gente conversando, a Leila secretária de Educação contou que um pai escolheu São Lourenço, entre várias cidades do sul de Minas para se mudar. A escolha foi por causa da nota do IDEB porque ele queria um ensino de qualidade para o filho. A gente vê a diferença que faz a qualidade do ensino. Educação, eu acho que é tudo. Sem educação não se consegue nada. Não adianta eu trazer indústrias para a cidade, fomentar o turismo, aumentar o comércio para gerar emprego se não temos um povo preparado para assumir isso. Falo de educação em todos os sentidos. Não adiante a gente ter uma cidade bonita e arrumada sem ter educação ambiental para fazer a coleta seletiva, que a gente quer iniciar. Seria difícil eu enumerar três coisas principais. Apesar de tudo, a gente está caminhando.

Desde que eu retornei a gente já conseguiu abrir várias frentes de obras fazendo as secretarias trabalharem em conjunto. Toda semana eu tenho reunião de secretários, pois eles têm que trabalhar integrados. Com isso, veio o programa do social Quem Ama Cuida. Uma vez por mês em cada bairro levando cultura, lazer, saúde, esporte e educação.

SL Atual: Durante a sua fala na última reunião ordinária da Câmara Municipal deste ano a senhora citou a ausência do vice-prefeito na gestão. Depois do período em que a senhora ficou afastada, como está a sua relação com o Leonardo Sanches?

Célia: O que eu tentei falar lá na Câmara é que durante os cinco meses em que fiquei afastada eu não fui procurada e tentei falar com ele. A gente não se comunicou e isso, durante os meses, vários projetos deixaram de ter andamento por causa disso. Ele assumiu como prefeito, mas a gestão é a mesma. É diferente de quando existe uma eleição. Eu ganhei a eleição, então um mandato termina e outro se inicia. Aquele mandato acabou, existe um governo de transição. Quem ganhou assume, começa uma nova gestão. O que aconteceu com a minha saída não era uma nova gestão e nem uma eleição onde acabou um mandato e iniciou outro. Eu acredito que, por isso, muitas falhas aconteceram. Desde que eu assumi ele não me procurou e a gente não conversou.

SL Atual: Considerações finais

Célia: Quero desejar para os internautas um próspero ano novo e que o amor divino presente no natal se estenda para o ano 2019 trazendo e renovando esperanças. Graças a Deus que existe ano novo para a gente virar o ano e encerrar um período para começar um novo. Eu gosto muito de natal e ano novo por tudo o que eles representam de esperança e expectativa. Apesar de ter que ser realista, a gente nunca pode deixar de ter esperança e sempre torcer para que seja cada vez melhor.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Entrevista Célia Cavalcanti

A prefeita de São Lourenço, Célia Cavalcanti, recebeu o São Lourenço Atual em seu gabinete para uma entrevista. Durante a conversa, ela fez uma avaliação do ano de 2018 em relação a política, sobre o afastamento que teve em março e as dificuldades encontradas ao retornar a gestão do município em agosto, a partir da decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Durante a conversa, Célia ainda destacou a expectativa de melhora no relacionamento com a Câmara Municipal, falou sobre a conversa com o vereador eleito presidente da casa legislativa, Waldinei Alves Ferreira, após a eleição dele.

Mesmo com a minoria dos vereadores ao seu lado politicamente em 2018, a chefe do executivo municipal destacou, ainda que com dificuldade, as principais realizações do governo este ano, dentre as várias. A prefeita pregou união em prol da cidade e falou sobre as parcerias firmadas entre o setor público e privado para realizar o I Natal das Águas

São Lourenço Atual: Como a Sra. avalia politicamente o ano de 2018 para São Lourenço? Quais são as expectativas para 2019?

Célia Cavalcanti: Como todos sabem eu fui afastada. Foi um ano difícil. Para a cidade, como um todo, essa interrupção de cinco meses paralisou projetos e muita coisa não andaram. No serviço público a gente tem problemas de prazos que devem ser cumpridos e tudo demanda um certo tempo por causa da burocracia que é grande. Essa foi a minha maior preocupação em relação a 2018 depois que eu retornei: retomar todos os projetos e correr contra o tempo para que a gente pudesse cumprir os prazos.

Em relação a 2019, estou muito esperançosa em todos os quesitos. Politicamente em relação a Câmara. Em relação ao governo do estado a gente tem uma proximidade muito grande com vice-governador, o [Paulo] Brant, com quem já tive duas audiências e temos audiências marcadas para o mês de janeiro. Por outro lado, não me iludo porque sei que vai ser um ano difícil economicamente para o nosso estado como um todo. Estava vendo um vídeo do Vitório Mediolli, prefeito de Betim, falando sobre uma reunião com o [Romeu] Zema e, de certa forma, eles saíram sem uma resposta. É muito difícil o Zema dar uma resposta em relação aos atrasados. Se ele não entrar lá [assumir o governo] e ver como está [a situação do governo], não tem como ele se comprometer. O ano que vem vai ser um ano de trabalho muito consciencioso a respeito, principalmente, da questão econômica, de se acertar com o governo do estado e não ter a Ilusão que ele vai pagar os atrasados. Acho que ele se ele pagar o que tem que pagar em dia já vai ser um grande ganho para os municípios.

SL Atual: Mesmo com a dívida crescente do estado com os municípios e a crise em que vive o país, o poder executivo mandou o orçamento de 2019 com previsão de arrecadação de cerca de R$ 46 milhões a mais do que em 2018. O orçamento sai de R$ 154 milhões e passa para R$ 200 milhões. Como a sua equipe chegou nessa conta? Como a senhora pretende arrecadar mais no ano que vem?

Célia: Essa é uma pergunta muito técnica. Acredito que eles [os técnicos] fazem os cálculos em cima da previsão de IPTU, IGP-M e das previsões que sempre fazem independente se vai vir o recurso ou não. São as previsões que eles fazem contando com o pagamento em dia, então já tem uma ideia do que aumenta na virada do ano em cima do IGP-M. Acredito que tenha sido isso.

SL Atual: O vereador Waldinei Alves Ferreira foi eleito presidente da Câmara Municipal com o discurso de mais diálogo com o poder executivo. Qual a expectativa da senhora na relação com o poder legislativo?

Célia: O [vereador] Nei já esteve aqui para me dar um abraço. Já o conheço há muito tempo. Foi uma das primeiras famílias que conheci quando me mudei para São Lourenço há 30 anos. Ele se mostrou muito aberto em termos diálogo. Já tivemos uma conversa inicial de que os projetos que mandarei [para a Câmara] teremos uma conversa sobre o que se trata. Acredito que vamos ter uma proximidade maior. Os vereadores se mostraram muito abertos. O próprio vereador Ricardo [de Mattos] veio conversar comigo e na rádio disse que estará aberto na Câmara para conversar. O Orlando, o Rodrigo, vice-presidente, também. Estou com muita esperança de conseguir dialogar e chegar em um consenso do que é melhor para a cidade e fazer um bom trabalho.

SL Atual: Mesmo sem a maioria na Câmara Municipal, o seu governo tem desenvolvido bastante e notórias ações, principalmente na área do turismo. Na sua opinião, quais foram as três mais importantes?

Célia: No turismo foi muito importante a gente conseguir resgatar uma política. A parceria com o Convention, que foi o primeiro que a gente conseguiu trazer mais para perto da gente, passamos de R$ 5 mil para R$ 150 mil [o recurso] que ele recebia na gestão passada. Em 2018 repassamos R$ 160 mil. O CDL, agora no final do ano, já acenou e veio fazer uma parceria. No turismo foi uma das ações que eu fiquei muito feliz foram essas parcerias e fazer esse trabalho [Natal das Águas]. Quando falo em união, falo isso. O executivo não tem como fazer tudo sozinho. Quando vem a parceria do público-privado todos ganham com cada um fazendo a sua parte. Um exemplo simples foi o Parque das Águas que enfeitou [para o natal] o Doces Hué e a Estação enfeitaram [seus prédios]. A prefeitura enfeitou a cidade. O CDL e o Convention entraram com as atrações. Quando tem essa união e parceria é muito importante. Para o evento se tornar tradicional e elevar a cidade a nível nacional, ele tem que ter tempo. O Natal Luz de Gramado já existe há 27 anos e o Brasil inteiro já conhece. O meu desejo é que os eventos principais que foram implantados, e a gente está lutando para que aconteça ano a ano, continue independente do prefeito que estiver.

As outras ações que considero importante é na Saúde, que apesar das reclamações ainda existentes, a gente conseguiu acabar com demandas de dois anos atrasados de exames e remédios. A gente está conseguindo, apesar das dificuldades e dívida do estado com a saúde de cerca de R$ 8 milhões. Imagina se a gente tivesse recebido esses R$ 8 milhões o que a gente não teria feito? Eu considero que foi feito um grande trabalho na saúde.

Na educação foi feito um trabalho excelente. São Lourenço tem uma educação de alta qualidade e isso vem sendo implantado de governo a governo. Eu não vou falar que foi só no meu governo. Eu fui em uma formatura e a gente conversando, a Leila secretária de Educação contou que um pai escolheu São Lourenço, entre várias cidades do sul de Minas para se mudar. A escolha foi por causa da nota do IDEB porque ele queria um ensino de qualidade para o filho. A gente vê a diferença que faz a qualidade do ensino. Educação, eu acho que é tudo. Sem educação não se consegue nada. Não adianta eu trazer indústrias para a cidade, fomentar o turismo, aumentar o comércio para gerar emprego se não temos um povo preparado para assumir isso. Falo de educação em todos os sentidos. Não adiante a gente ter uma cidade bonita e arrumada sem ter educação ambiental para fazer a coleta seletiva, que a gente quer iniciar. Seria difícil eu enumerar três coisas principais. Apesar de tudo, a gente está caminhando.

Desde que eu retornei a gente já conseguiu abrir várias frentes de obras fazendo as secretarias trabalharem em conjunto. Toda semana eu tenho reunião de secretários, pois eles têm que trabalhar integrados. Com isso, veio o programa do social Quem Ama Cuida. Uma vez por mês em cada bairro levando cultura, lazer, saúde, esporte e educação.

SL Atual: Durante a sua fala na última reunião ordinária da Câmara Municipal deste ano a senhora citou a ausência do vice-prefeito na gestão. Depois do período em que a senhora ficou afastada, como está a sua relação com o Leonardo Sanches?

Célia: O que eu tentei falar lá na Câmara é que durante os cinco meses em que fiquei afastada eu não fui procurada e tentei falar com ele. A gente não se comunicou e isso, durante os meses, vários projetos deixaram de ter andamento por causa disso. Ele assumiu como prefeito, mas a gestão é a mesma. É diferente de quando existe uma eleição. Eu ganhei a eleição, então um mandato termina e outro se inicia. Aquele mandato acabou, existe um governo de transição. Quem ganhou assume, começa uma nova gestão. O que aconteceu com a minha saída não era uma nova gestão e nem uma eleição onde acabou um mandato e iniciou outro. Eu acredito que, por isso, muitas falhas aconteceram. Desde que eu assumi ele não me procurou e a gente não conversou.

SL Atual: Considerações finais

Célia: Quero desejar para os internautas um próspero ano novo e que o amor divino presente no natal se estenda para o ano 2019 trazendo e renovando esperanças. Graças a Deus que existe ano novo para a gente virar o ano e encerrar um período para começar um novo. Eu gosto muito de natal e ano novo por tudo o que eles representam de esperança e expectativa. Apesar de ter que ser realista, a gente nunca pode deixar de ter esperança e sempre torcer para que seja cada vez melhor.

Publicidade

Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)