SÃO LOURENÇO ATUAL

Espetáculo da Vitrine da Dança estreia hoje no Colégio das Irmãs

O Festival Águas das Gerais segue até o próximo domingo com espetáculo de dança e teatro

O último ensaio do Festival Águas das Gerais/Foto: SL Atual

A 18ª edição do Festival Águas das Gerais estreia nesta sexta-feira, 25, e segue até o domingo, 27. Esse ano com o tema Cara de Palco 4, serão dois espetáculos em um único final de semana. Além das tradicionais apresentações de dança, esse ano o festival terá uma peça teatral. O evento será realizado no Colégio das Irmãs, em São Lourenço, com início às 20h.

O espetáculo de dança contará com três temas, sendo dois musicais. O primeiro é a Bela Fera e o segundo é a Família Adams, ambos musicais adaptados pela Vitrine da Dança Deise Dutra. O terceiro é o Ballet Paquita, também adaptado para o Festival Águas das Gerais.

O Ballet Paquita foi criado nos idos dos anos de 1800 com uma história surpreendente que envolve amor, morte, cultura cigana e a nobreza da época. Conta a história de uma dama da nobreza que perde a família em um conflito na Espanha e vai ser criada por um grupo de ciganos, uma vez que a moça estava órfã. Ao encontrar pessoas da nobreza em uma homenagem feita a família dela durante uma festa, a moça foge com um dos membros da nobreza e se casa. Quando chega ao palácio do marido descobre que ele é seu primo.

De acordo com o diretor cênico do espetáculo, Cy Andrade, os dois musicais trazem um cunho pedagógico. Eles passam mensagens para público contra o preconceito e a aceitação das diferenças. “Ambos trazem a feiura e a discussão sobra a beleza interior. Eles passam a mensagem que somos todos iguais independentemente de qualquer aparência e que devemos aprender a lidar com as diferenças. Na Bela e a Fera, por exemplo, todos tinham medo da Fera, mas ao conhece-la, no final, viram que não havia motivo para o medo”, disse o diretor.

Segundo a diretora geral do espetáculo, Deise Dutra, os temas escolhidos foram escolhidos de acordo com perfil do público e a preferência por ele manifestado. “A Bela e a Fera, por exemplo, é um pedido antigo do nosso público que este ano conseguimos montar em forma de musical. Tudo é preparado com muito amor e carinho pensando tanto nos nossos alunos quanto nas pessoas que nos prestigiam todos os anos, desde os mínimos detalhes das coreografias, passando pelo figurino até no cenário. Como retorno deste trabalho, esperamos que nosso público, pais e alunos saiam satisfeitos e realizados. Para nós, é isso que vale a pena”, destacou Deise Dutra, que também é a diretora da Vitrine da Dança.

Além das três atrações principais ainda haverá a apresentações de ballet e jazz. Serão apresentados uma coreografia do ballet de repertório Dom Quixote, uma variação da Coppélia e duas coreografias e um estilo livre. A coreografia do jazz será apresentada por alunas e mães de alunos da Vitrine da Dança com a releitura do musical da Broadway de Bob Fosse Bye-Bye Black Bird.

Teatro

O teatro que será apresentado é A Bruxinha que era boa. É a adaptação do texto de Maria Clara Machado. A peça faz parte do resultado de um ano de trabalho do curso de teatro da Vitrine da Dança e é apresentada por seis alunos. A apresentação será no sábado às 10h 30min

A peça conta a história de uma bruxinha que vive em meio a várias outras bruxas e bruxos maus que tem o foco destruir o planeta poluindo a água e o ar, desmatando as florestas entre outras maldades. A bruxinha que era boa encontra o amigo Pedrinho e juntos vão combater a maldade.

A direção da peça é de Cy Andrade. Para ele, o grande desafio de montar uma peça com bruxas é relacionada a caracterização dos personagens. “Quando trabalhamos um personagem qualquer construímos ele. Nesse caso, o trabalho com elemento bruxaria é um exercício de desconstrução de toda uma máscara corporal e envolve um exercício rico em pesquisa”, explicou.

Ainda de acordo com o diretor, o tetro trabalha o bullying. “Esse é um teatro infantil para crianças a partir de cinco anos de idade que trabalha o bullying, uma vez que a bruxinha que era boa é diferente de outras, que são más”, finalizou.

 

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Espetáculo da Vitrine da Dança estreia hoje no Colégio das Irmãs

A 18ª edição do Festival Águas das Gerais estreia nesta sexta-feira, 25, e segue até o domingo, 27. Esse ano com o tema Cara de Palco 4, serão dois espetáculos em um único final de semana. Além das tradicionais apresentações de dança, esse ano o festival terá uma peça teatral. O evento será realizado no Colégio das Irmãs, em São Lourenço, com início às 20h.

O espetáculo de dança contará com três temas, sendo dois musicais. O primeiro é a Bela Fera e o segundo é a Família Adams, ambos musicais adaptados pela Vitrine da Dança Deise Dutra. O terceiro é o Ballet Paquita, também adaptado para o Festival Águas das Gerais.

O Ballet Paquita foi criado nos idos dos anos de 1800 com uma história surpreendente que envolve amor, morte, cultura cigana e a nobreza da época. Conta a história de uma dama da nobreza que perde a família em um conflito na Espanha e vai ser criada por um grupo de ciganos, uma vez que a moça estava órfã. Ao encontrar pessoas da nobreza em uma homenagem feita a família dela durante uma festa, a moça foge com um dos membros da nobreza e se casa. Quando chega ao palácio do marido descobre que ele é seu primo.

De acordo com o diretor cênico do espetáculo, Cy Andrade, os dois musicais trazem um cunho pedagógico. Eles passam mensagens para público contra o preconceito e a aceitação das diferenças. “Ambos trazem a feiura e a discussão sobra a beleza interior. Eles passam a mensagem que somos todos iguais independentemente de qualquer aparência e que devemos aprender a lidar com as diferenças. Na Bela e a Fera, por exemplo, todos tinham medo da Fera, mas ao conhece-la, no final, viram que não havia motivo para o medo”, disse o diretor.

Segundo a diretora geral do espetáculo, Deise Dutra, os temas escolhidos foram escolhidos de acordo com perfil do público e a preferência por ele manifestado. “A Bela e a Fera, por exemplo, é um pedido antigo do nosso público que este ano conseguimos montar em forma de musical. Tudo é preparado com muito amor e carinho pensando tanto nos nossos alunos quanto nas pessoas que nos prestigiam todos os anos, desde os mínimos detalhes das coreografias, passando pelo figurino até no cenário. Como retorno deste trabalho, esperamos que nosso público, pais e alunos saiam satisfeitos e realizados. Para nós, é isso que vale a pena”, destacou Deise Dutra, que também é a diretora da Vitrine da Dança.

Além das três atrações principais ainda haverá a apresentações de ballet e jazz. Serão apresentados uma coreografia do ballet de repertório Dom Quixote, uma variação da Coppélia e duas coreografias e um estilo livre. A coreografia do jazz será apresentada por alunas e mães de alunos da Vitrine da Dança com a releitura do musical da Broadway de Bob Fosse Bye-Bye Black Bird.

Teatro

O teatro que será apresentado é A Bruxinha que era boa. É a adaptação do texto de Maria Clara Machado. A peça faz parte do resultado de um ano de trabalho do curso de teatro da Vitrine da Dança e é apresentada por seis alunos. A apresentação será no sábado às 10h 30min

A peça conta a história de uma bruxinha que vive em meio a várias outras bruxas e bruxos maus que tem o foco destruir o planeta poluindo a água e o ar, desmatando as florestas entre outras maldades. A bruxinha que era boa encontra o amigo Pedrinho e juntos vão combater a maldade.

A direção da peça é de Cy Andrade. Para ele, o grande desafio de montar uma peça com bruxas é relacionada a caracterização dos personagens. “Quando trabalhamos um personagem qualquer construímos ele. Nesse caso, o trabalho com elemento bruxaria é um exercício de desconstrução de toda uma máscara corporal e envolve um exercício rico em pesquisa”, explicou.

Ainda de acordo com o diretor, o tetro trabalha o bullying. “Esse é um teatro infantil para crianças a partir de cinco anos de idade que trabalha o bullying, uma vez que a bruxinha que era boa é diferente de outras, que são más”, finalizou.

 

Publicidade

Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)