SÃO LOURENÇO ATUAL

Estudantes Parlamento Jovem de São Lourenço ouvem depoimentos sobre discriminação racial

A roda de conversa faz parte das oficinas do projeto que acontece na Câmara Municipal

Foto: Ascom/CMSL

Os integrantes do Parlamento Jovem de São Lourenço participaram de uma roda de conversa com pessoas que já foram vítimas de discriminação étinico-racial. A atividade fez parte do ciclo de oficinas sobre o tema, que em 2019 é discutido em todo o estado de Minas Gerais por estudantes do Ensino Médio das redes pública e particular. Os voluntários deram seus depoimentos, contando todo o sofrimento pelo qual passaram até chegarem à autoaceitação.

A oficina foi coordenada pela professora do curso de Psicologia da Faculdade São Lourenço, Vera Lúcia Rodrigues, juntamente com os estudantes Ellen de Jesus Silva Castro (Biomedicina), Flavianne Rosa Lima Rezende (Pedagogia) e Diego Bernardes Xavier (Psicologia).

A assessora parlamentar Elyzabeth Aparecida Soares dos Santos também aproveitou o momento para falar sobre suas experiências. Ela relatou que sofreu discriminação ao tentar uma vaga de emprego como vendedora em um shopping. “Foi a partir dali que eu achei que não conseguiria trabalhar com o público por causa da minha cor e comecei a ser doméstica”, declarou.

Esta foi a segunda vez que o grupo deu depoimentos. A primeira foi na própria Faculdade São Lourenço. “Sempre é complicado falar da nossa dor, mas no final é gratificante”, afirmou Ellen. “O que buscamos é a conscientização”, explicou a professora Vera Lúcia.

Como funciona o PJ

Ao longo do ano, os estudantes irão elaborar propostas de mudança para a sociedade à luz do tema “Discriminação Étnico-Racial”. No final das atividades, as ideias serão votadas entre eles, em três grandes plenárias, nos moldes de uma sessão legislativa, e entregues aos deputados estaduais, os quais poderão transformá-las em leis de verdade, como já aconteceu em edições anteriores.

Antes de estudarem a temática do ano, os jovens passam por uma formação política. O objetivo é que eles adquiram maior conhecimento sobre o Poder Legislativo para que possam escrever as propostas. Todas as oficinas acontecem às quartas-feiras, a partir das 16h.

Fonte

Ascom/CMSL
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Estudantes Parlamento Jovem de São Lourenço ouvem depoimentos sobre discriminação racial

Ascom/CMSL

Os integrantes do Parlamento Jovem de São Lourenço participaram de uma roda de conversa com pessoas que já foram vítimas de discriminação étinico-racial. A atividade fez parte do ciclo de oficinas sobre o tema, que em 2019 é discutido em todo o estado de Minas Gerais por estudantes do Ensino Médio das redes pública e particular. Os voluntários deram seus depoimentos, contando todo o sofrimento pelo qual passaram até chegarem à autoaceitação.

A oficina foi coordenada pela professora do curso de Psicologia da Faculdade São Lourenço, Vera Lúcia Rodrigues, juntamente com os estudantes Ellen de Jesus Silva Castro (Biomedicina), Flavianne Rosa Lima Rezende (Pedagogia) e Diego Bernardes Xavier (Psicologia).

A assessora parlamentar Elyzabeth Aparecida Soares dos Santos também aproveitou o momento para falar sobre suas experiências. Ela relatou que sofreu discriminação ao tentar uma vaga de emprego como vendedora em um shopping. “Foi a partir dali que eu achei que não conseguiria trabalhar com o público por causa da minha cor e comecei a ser doméstica”, declarou.

Esta foi a segunda vez que o grupo deu depoimentos. A primeira foi na própria Faculdade São Lourenço. “Sempre é complicado falar da nossa dor, mas no final é gratificante”, afirmou Ellen. “O que buscamos é a conscientização”, explicou a professora Vera Lúcia.

Como funciona o PJ

Ao longo do ano, os estudantes irão elaborar propostas de mudança para a sociedade à luz do tema “Discriminação Étnico-Racial”. No final das atividades, as ideias serão votadas entre eles, em três grandes plenárias, nos moldes de uma sessão legislativa, e entregues aos deputados estaduais, os quais poderão transformá-las em leis de verdade, como já aconteceu em edições anteriores.

Antes de estudarem a temática do ano, os jovens passam por uma formação política. O objetivo é que eles adquiram maior conhecimento sobre o Poder Legislativo para que possam escrever as propostas. Todas as oficinas acontecem às quartas-feiras, a partir das 16h.

Publicidade

Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)