SÃO LOURENÇO ATUAL

MENU
Logo
Terça, 11 de agosto de 2020
Publicidade
Publicidade

Turismo

Produtores da Mantiqueira tem queijo reconhecido e caracterizado como artesanal

Queijos de 9 municípios passam a ter identidade única devido as características em comum no modo de produzir

Imagem de capa

Imagens

A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Produtores de queijo de nove municípios do Sul de Minas se reuniram na quarta-feira, 19, em Itamonte, para receber o documento de caracterização integrada de municípios na região da Mantiqueira como produtores artesanais. O documento foi entregue pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) de Minas Gerais.

Os produtores de Aiuruoca, Baependi, Boicana de Minas, Carvalhos, Itamonte, Itanhandu, Liberdade, Passa Quatro e Pouso Alto tiveram seus queijos, muitos já premiados internacionalmente, reconhecidos como artesanal. Eles são identificados a partir dos aspectos históricos e culturais da produção. Ainda são levados em conta o processo produtivo do leite e a fabricação do queijo.

Por trás de um queijo artesanal, existem muitas coisas além da produção do leite e a fabricação do produto. Existe uma engrenagem econômica que gira a economia dos municípios proporcionando possibilidades, além do sustento de milhares de famílias, o desenvolvimento do turismo regional com a geração de emprego e renda para as localidades.

De acordo com o técnico da Emater-MG, Feliciano Nogueira de Oliveira, Minas Gerais é o maior produtor de leite e produtos lácteos do Brasil e os queijos artesanais são responsáveis por uma fonte expressiva de valor cultural, social e econômica.

“Há uma estatística que aponta a utilização de um terço do leite produzido no estado na gastronomia, seja ela artesanal, em cozinhas, produção de quitandas, entre outras. A maioria dos produtores são agricultores familiares que vão conquistando mercado e condições legais para ser comercializar os queijos. Torna-se um atrativo cultural e turístico para que as pessoas venham usufruir das belezas da região, como é o caso da Mantiqueira, e apreciar uma gastronomia rica e diferenciada com esses queijos”, disse Feliciano Nogueira de Oliveira.

Os queijos artesanais da Mantiqueira buscam o reconhecimento. Primeiro eles precisam da certificação sanitária para que possam comercializar e posteriormente a Identificação Geográfica a exemplo de Serro, Canastra, Salitre, Campos das Vertentes, entre outros.

“Estamos falando em milhares de queijeiros artesanais e entre eles centenas já foram premiados até fora do Brasil e não temos esse reconhecimento dentro do país. No V Prêmio Queijo Brasil, entre os 340 queijos premiados, mais de 150 foram da nossa região. Isso mostra o quanto e quão os queijos da nossa região são bons e mostra a importância dele não só para o produtor, mas para economia local”, disse Luís Antônio Guimarães, o Tuca, presidente da Associação dos Produtores de Queijo Artesanal Mantiqueira de Minas (Apromam).

O diferencial dos queijos está na forma artesanal de produção e na receita. “O diferencial é ser artesanal e todos os produtores seguirem a mesma receita, que é o pingo ou a isca, que é o soro do dia anterior, e dois por cento disso você adiciona no leite. Essa é uma receita básica onde cada queijeiro e mestre tem sua peculiaridade com seu toquezinho final para caracterizar o queijo dele”, explicou o presidente da Apromam.

O município de Pouso Alto é sede da Apromam. Lá, a tradição de produção de queijo foi iniciada no século XIX. O secretário de Turismo e Cultura, Luís Cláudio de Carvalho, concorda que a iniciativa vai ajudar no desenvolvimento do município.

“Além de união dos produtos locais, essa integração com os produtores dos municípios vizinhos é muito importante para a divulgação de Pouso Alto e das Terras Altas da Mantiqueira, na mídia e em outras regiões. O artesanato e os produtos locais são o carro chefe do Turismo na região, além das nossas belezas naturais”, afirmou o secretário.

O documento de caracterização integrada de municípios na região da Mantiqueira foi entregue em uma reunião promovida pela Apromam e Emater, Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (SEAPA), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

Turismo na Mantiqueira

Em 2019, o Ministério do Turismo (MTur) voltou os olhos para a região da Mantiqueira e seus quatro circuito turísticos, lançando o projeto #VisiteMantiqueira. O objetivo é fortalecer a rota da Mantiqueira para concorrer com as principais rotas já estruturadas no país divulgando o destino, através do Ministério, em parceria com grandes empresas estatais e privadas, para o Brasil e para o Mundo.

Os Circuitos Turísticos envolvidos são: Circuito das Águas, Circuito Caminhos da Mantiqueira, Circuito Serras Verdes e Circuito Terras Altas da Mantiqueira e vai envolver cerca de 90 municípios nos três Estados que possuem parte da Serra da Mantiqueira em seus territórios: Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

A pedra fundamental do #VisiteMantiqueira foi lançado em agosto de 2019 no 2º Encontro Regional de Turismo, realizado na Catedral de Bambu, em São Lourenço, um dia após o lançamento  da “A Rota Nhá Chica - Caminho das Virtudes” pelo Sebrae, em Baependi.

Créditos (Imagem de capa): A reunião realizada para entrega da caracterização dos queijos/Foto: SL Atual

Comentários:

Deixe sua mensagem para a redação ;)