SÃO LOURENÇO ATUAL

TJMG nega segunda liminar da prefeita Célia para anular Comissão Processante

O desembargador não aceitou o argumento de irregularidade em intimações da defesa
TJMG nega segunda liminar da prefeita Célia para anular Comissão Processante
A prefeita Célia Cavalcanti/Foto: São Lourenço Atual

TJMG nega segunda liminar da prefeita Célia para anular Comissão Processante

 

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou uma segunda liminar da defesa da prefeita pedindo a nulidade do processo político administrativo. A decisão foi publicada no site do Tribunal na tarde desta quarta-feira, 4. Desta vez, a prefeita argumentou que houveram irregularidades na intimação dela e de suas testemunhas, dessa forma impedido sua ampla defesa.

Segundo a decisão do desembargador relator, Renato Dresch, a reclamação da prefeita Célia Cavalcanti quanto as intimações não procedem. Ele ainda ressalta que todas as tentativas de intimação pessoal da prefeita, de seus advogados e testemunhas foram feitos pela Câmara Municipal.

“Restaram frustradas as tentativas de notificação pessoal da denunciada, que não se encontrava na sede do Município de São Lourenço. Assim, a notificação ocorreu por meio de edital publicado no Diário Oficial do Município, atendendo ao inciso III do art. 5º do Decreto-lei nº 201/1967, além do envio de e-mail para o endereço oficial da Prefeita (ordem 43, p. 5-14)”, escreveu o relator.

“Verifica-se que a intimação atingiu seu objetivo, uma vez que a denunciada apresentou defesa prévia (ordem 43, p. 17-19 e ordem 44). Com a apresentação da defesa evidencia-se o conhecimento da investigada na demanda”, complementou na decisão.

O Desembargador relator ainda entendeu que a prefeita tentou atrasar o andamento dos trabalhos da Comissão Processante. “Se a denunciada é intimada para marcar a data em que realizará sua autodefesa e não se pronuncia, demonstrando intenção em protelar o andamento do feito, não há que se cogitar o cerceamento de seu direito de defesa”, escreveu Renato Dresch.

A Câmara Municipal informou “que ainda não foi notificada oficialmente sobre a decisão da liminar. No tocante ao seu conteúdo, a Casa Legislativa informa que dará prosseguimento ao processo político-administrativo”.

Procurada para comentar a decisão do TJMG, até o fechamento desta matéria a Assessoria de Comunicação da prefeitura não se manifestou. Continuamos a disposição para esclarecimentos através do e-mail: saolourencoatual@slatual.com.br.

Primeira Liminar

Na primeira liminar  negada pelo TJMG, a defesa da prefeita Célia Cavalcanti argumentou que os vereadores Natanael Paulino de Oliveira (Cidadania), relator da Comissão Processante, Orlando da Silva Gomes (PRB) e Ricardo de Mattos (PMN) seriam suspeitos para votar na sessão de julgamento da prefeita.

O vereador Natanael Paulino de Oliveira por ter feito denúncia sobre o assunto do processo político administrativo no Ministério Público, que arquivou a denúncia por ser tema de ação judicial.

Já o argumento para a suspeição do vereador Ricardo de Mattos (PMN) foi a exoneração dele, por justa causa, do cargo que ocupava na Secretaria Municipal de Saúde de técnico de enfermagem. O vereador era concursado e foi exonerado após a conclusão de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

O vereador Orlando Gomes da Silva foi colocado em suspeição pela defesa por ser declaradamente inimigo político da prefeita.

Confira a decisão do TJMG

OUVIR NOTÍCIA

 

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou uma segunda liminar da defesa da prefeita pedindo a nulidade do processo político administrativo. A decisão foi publicada no site do Tribunal na tarde desta quarta-feira, 4. Desta vez, a prefeita argumentou que houveram irregularidades na intimação dela e de suas testemunhas, dessa forma impedido sua ampla defesa.

Segundo a decisão do desembargador relator, Renato Dresch, a reclamação da prefeita Célia Cavalcanti quanto as intimações não procedem. Ele ainda ressalta que todas as tentativas de intimação pessoal da prefeita, de seus advogados e testemunhas foram feitos pela Câmara Municipal.

“Restaram frustradas as tentativas de notificação pessoal da denunciada, que não se encontrava na sede do Município de São Lourenço. Assim, a notificação ocorreu por meio de edital publicado no Diário Oficial do Município, atendendo ao inciso III do art. 5º do Decreto-lei nº 201/1967, além do envio de e-mail para o endereço oficial da Prefeita (ordem 43, p. 5-14)”, escreveu o relator.

“Verifica-se que a intimação atingiu seu objetivo, uma vez que a denunciada apresentou defesa prévia (ordem 43, p. 17-19 e ordem 44). Com a apresentação da defesa evidencia-se o conhecimento da investigada na demanda”, complementou na decisão.

O Desembargador relator ainda entendeu que a prefeita tentou atrasar o andamento dos trabalhos da Comissão Processante. “Se a denunciada é intimada para marcar a data em que realizará sua autodefesa e não se pronuncia, demonstrando intenção em protelar o andamento do feito, não há que se cogitar o cerceamento de seu direito de defesa”, escreveu Renato Dresch.

A Câmara Municipal informou “que ainda não foi notificada oficialmente sobre a decisão da liminar. No tocante ao seu conteúdo, a Casa Legislativa informa que dará prosseguimento ao processo político-administrativo”.

Procurada para comentar a decisão do TJMG, até o fechamento desta matéria a Assessoria de Comunicação da prefeitura não se manifestou. Continuamos a disposição para esclarecimentos através do e-mail: saolourencoatual@slatual.com.br.

Primeira Liminar

Na primeira liminar  negada pelo TJMG, a defesa da prefeita Célia Cavalcanti argumentou que os vereadores Natanael Paulino de Oliveira (Cidadania), relator da Comissão Processante, Orlando da Silva Gomes (PRB) e Ricardo de Mattos (PMN) seriam suspeitos para votar na sessão de julgamento da prefeita.

O vereador Natanael Paulino de Oliveira por ter feito denúncia sobre o assunto do processo político administrativo no Ministério Público, que arquivou a denúncia por ser tema de ação judicial.

Já o argumento para a suspeição do vereador Ricardo de Mattos (PMN) foi a exoneração dele, por justa causa, do cargo que ocupava na Secretaria Municipal de Saúde de técnico de enfermagem. O vereador era concursado e foi exonerado após a conclusão de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

O vereador Orlando Gomes da Silva foi colocado em suspeição pela defesa por ser declaradamente inimigo político da prefeita.

Confira a decisão do TJMG

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Notícias

Cidade
Alto volume de chuvas previstos em MG não transbordará o Rio Verde
Alto volume de chuvas previstos em MG não transbordará o Rio Verde
VISUALIZAR
Meio Ambiente
São Tomé das Letras assina TAC com Ministério Público para preservação do meio ambiente
São Tomé das Letras assina TAC com Ministério Público para preservação do meio ambiente
VISUALIZAR
Cultura e Entretenimento
Desfile de carro de bois será realizado neste domingo, 19
Desfile de carro de bois será realizado neste domingo, 19
VISUALIZAR
Cultura e Entretenimento
Encontro de veículos antigos vai agitar São Lourenço no próximo final de semana
Encontro de veículos antigos vai agitar São Lourenço no próximo final de semana
VISUALIZAR
Policial
Ligações anônimas para o 181 crescem e denúncias de tráfico de drogas lideram o ranking
Ligações anônimas para o 181 crescem e denúncias de tráfico de drogas lideram o ranking
VISUALIZAR
Cidade
Pronto Socorro do Hospital deve iniciar funcionamento na UPA em 60 dias
Pronto Socorro do Hospital deve iniciar funcionamento na UPA em 60 dias
VISUALIZAR
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)