SÃO LOURENÇO ATUAL

A regra terá sido exceção?

A regra terá sido exceção?

OUVIR POSTAGEM

Há coisas que compõem o nosso cotidiano, que as consideramos como parte da nossa vida, tanto no que concerne a cultura e o aprendizado, como também pelo lado do humor através das piadas, as quais temos oportunidade de extravasar a jocosidade no que é exposto e, que por vezes se transformam numa realidade pelas circunstâncias.

Curtindo a cidade de Conservatória, RJ, a não menos famosa e conhecida pela apresentação aos fins de semana nas admiráveis serestas às ruas, a atrair gente de todo o Brasil em espetáculo de rara beleza, onde o público participa ativamente a percorrer todo trajeto na maior empolgação, quando pela manhã de sexta-feira após o desjejum matinal à pousada onde nos encontrávamos, tive a oportunidade de presenciar um episódio que teve tudo a ver com a piada que tornou-se fato verídico, muito embora viesse nos surpreender pelo caso em si no inverso da história da picante chalaça.

Ao chegar ao balcão da portaria, deparei-me com um principio de mau estar, em que o gerente visivelmente insatisfeito procurava contornar a impaciência e a intransigência de um cidadão, que pelas feições características orientais nos parecia um nissei , sansei, não sei, que mostrando-se furioso exigia do pobre e paciente gerente que trocasse de apartamento, pois não aceitava ocupar o que lhe fora determinado, e, se não o atendesse deixaria a pousada sem pagar. Eu ao lado observando a encrenca, apenas me limitava a ouvir o entrevero, quando o gerente virando-se, indagou-me se tinha algo a reclamar do aposento, já que era tal qual o dele. Aproximando-me, perguntei qual era a dificuldade, pois não ouvi o inicio da reclamação. Nisso, o “japa” retrucou, perguntando se já me servira do banheiro e o que achara. Sorrindo, um tanto atônito, respondi que sim e o porquê da pergunta. O gerente treplicando, vira-se ao “japa” e fala: O senhor está vendo! E ele tem mais de 1.90 m. de altura e convenhamos teria razões para exigir uma mudança de quarto não acha?

O oriental ainda mais furioso, indignado a quase perder a calma, vira-se a mim e pergunta:- Mil perdões, mas o senhor já sentou-se na latrina? Meneando a cabeça de um lado para o outro, resolvi dizer que sim e retruquei o porquê da pergunta desagradável e inconveniente. O gerente bem aturdido e desarticulado, interveio a se desculpar pelo abuso do “japa” em colocar-me na discussão que nada eu tinha a ver, quando o japonês inconformado me indaga se não me incomodei ao sentar no vaso. Sem responder, limitei-me a sorrir, e o homem então disparou:- O senhor não incomoda sua saúde? Dessa altura impossível não sentir o que o Japão sentiu, pois meu “bilau” quase toca à louça da latrina. Isso faz doença perigosa!

Olhando-o, respondi que para tudo dá-se um jeito. È só sentar atravessado, que nada acontece. Mas de fato esta marca da louça: “nagóia”, provavelmente foi projetada por algum conterrâneo seu e obviamente conhece dos predicados físicos da raça!

Furioso, o “japa” deixou a portaria, eu entreguei minha chave e o gerente sorrindo me agradeceu perguntando como eu descobri tal solução? É o jeitinho brasileiro de ser!

Moral da história: Ou “japa” é uma exceção à regra oriental, ou aceitou o jeitinho do brasileiro, pois continuou hospedado sem mais reclamar!

Ah!!! Esses “turistas queixosos” quando se veem conformados diante de um problema de solução prática, mesmo inconformados serão sempre pitorescos a nos presentear com instantes bem jocosos contrariando a piada, digo a regra!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Postagens

As “serpentes” são sempre traiçoeiras...
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

As “serpentes” são sempre traiçoeiras...

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Violência, sucumbida pela razão. Sonho?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Violência, sucumbida pela razão. Sonho?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Levi e seu dia de cão
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Levi e seu dia de cão

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Uma ópera buffa e seus personagens
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Uma ópera buffa e seus personagens

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Simão e sua cruz
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Simão e sua cruz

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Obrigado Hospital de São Lourenço!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Obrigado Hospital de São Lourenço!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Precisamos reforçar as instituições e as políticas de estado
Luís Cláudio de Carvalho
Luís Cláudio de CarvalhoColunista

Precisamos reforçar as instituições e as políticas de estado

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
No naturismo “cobra” não pode subir!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

No naturismo “cobra” não pode subir!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)