SÃO LOURENÇO ATUAL

As “serpentes” são sempre traiçoeiras...

As “serpentes” são sempre traiçoeiras...

OUVIR POSTAGEM

Na vida da gente às coisas ditas e consideradas azares, na realidade só acontecem quando nós damos “sopa” para o azar. É normal sobrecarregarmos o pobre do destino como responsável por tais situações.

Certa ocasião num hotel fazenda à cidade de Mirantão, MG, localidade esplêndida pela preservada natureza, numa tarde após o almoço lutando contra a lombeira, curtíamos o ambiente paradisíaco, quando observamos na porta do hotel um grupo de hóspedes a papear em visível sonolência, cujo objetivo era sem dúvida uma boa e macia cama. Tanto foi verdade, que, quase simultaneamente, foram se dispersando em direção ao interior do hotel, só permanecendo um casal que pareceu resistir aos chamados de Morfeu.

Nós resistentes, como sempre fazíamos, saímos em direção à cidade. Porém naquele dia alternamos o trajeto, apeando a estrada das cachoeiras. Decorrido algum tempo da caminhada, fomos alertados por um trotear de cavalos. Era uma charrete conduzida por aquele casal que resistiu à Morfeu.

De retorno, já no hotel acomodados a um banco do jardim, uma hóspede se chega indagando-nos se havia visto o seu marido.- Não, - respondemos. Entretanto pela descrição dada pela mulher, era o cidadão da charrete.

Por coincidência quase a seguir, um homem de aspecto humilde, típico minhoca da terra, também nos procura segurando roupas, que pela descrição seria o mesmo cidadão. Depois de algum tempo sentados, fomos para o nosso aposento e, ao cruzar a portaria, um “bafafá” estava formado.

A tal mulher, dita esposa do cidadão procurado, tendo nas mãos as peças de roupas que o minhoca trouxera, furiosa, em áspero interrogatório inquiria do humilde homem, que aturdido e visivelmente aparvalhado tentava se defender a justificar sua presença ali. Afinal sua charrete foi encontrada abandonada apenas contendo sobre o assento aquelas peças de roupa. Agora sobre o moço e a moça que alugou a charrete num sabia dizer.

Sem dúvida era um mistério, pois permanecemos naquele trajeto por algum tempo e não os vimos retornar ao hotel, pois seria até cômico vê-los sem suas vestes. Só se entraram pelos fundos !!!

À noite, ao descermos para o jantar, um clima nebuloso e denso imperava na portaria, onde comentários, fofocas e mexericos pairavam pelos cantos. Curiosos indagamos do gerente o que havia. A versão dada foi que o “cidadão sumido”, marido de uma das hóspedes, acompanhado de uma mulher – amiga de sua esposa – quando se banhavam secretamente na cachoeira, o cavalo na charrete assustou-se, talvez por uma cobra e, disparou estrada abaixo levando as roupas dos dois “azarados”, deixando-os como Adão e Eva naquele paraíso num naturismo forçado de consequências mais que previstas...Apenas não foi explicado, como o casal chegou ao hotel sem ser visto...

Moral da História: Mesmo sem ter a tentação personalizada por uma maçã, nunca devemos descartar a possibilidade de a serpente nos preparar armadilhas, às quais estaremos predispostos a cair, levados por desejos pecaminosos, onde a traição é a “sopa” a qual damos para o azar...

Ah... Esses “Turistas Aventurados” quando vê suas aventuras sucumbirem perante o toque serpenteado do azar, dada a sopa que deram e, atribuem ao destino o tal momento “infeliz”, são de fato inconsequentes a nos oferecerem instantes lamentáveis, porém paradisíacos e pitorescos, mas cheios de muitos mistérios...

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Postagens

Violência, sucumbida pela razão. Sonho?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Violência, sucumbida pela razão. Sonho?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
A regra terá sido exceção?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

A regra terá sido exceção?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Levi e seu dia de cão
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Levi e seu dia de cão

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Uma ópera buffa e seus personagens
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Uma ópera buffa e seus personagens

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Simão e sua cruz
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Simão e sua cruz

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Obrigado Hospital de São Lourenço!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Obrigado Hospital de São Lourenço!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Precisamos reforçar as instituições e as políticas de estado
Luís Cláudio de Carvalho
Luís Cláudio de CarvalhoColunista

Precisamos reforçar as instituições e as políticas de estado

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
No naturismo “cobra” não pode subir!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

No naturismo “cobra” não pode subir!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)