SÃO LOURENÇO ATUAL

De louco cada um tem um pouco!

De louco cada um tem um pouco!

OUVIR POSTAGEM

De louco cada um tem um pouco!

 

Entre a gama de particularidades que o ser humano possui, o ato de colecionar alguma coisa sempre se faz presente ao longo da vida, nos mais variados tipos de objetos e coisas ditas importantes, as quais o levam muitas das vezes a uma obcecada dedicação, a tornar o ato mais do que um “hobby” e sim, uma excentricidade obsessiva além do previsto.

Desfrutando de agradável remanso à cidade de Serra Negra – SP, em aconchegante hotel, quando entre inúmeros hóspedes, um cidadão de meia idade nos chamou atenção pelo seu comportamento egocêntrico, onde sempre isolado, solitário e esquivo a evitar contatos pessoais, mantinha-se aparentemente alheio a tudo a sua volta. Portando invariavelmente um pequeno livro; como uma agenda, o qual sempre se dispunha folheá-lo e proceder à vez por outra, anotações a nos causar curiosidade.

Aquele ato simples, nos deixava mais intrigados, ao vê-lo por varias vezes procedendo da mesma forma, sentado aos bancos das praças, lanchonetes e bares como ocorria às dependências do hotel. Lógico que aquele procedimento passou a nos trazer ainda mais curiosidade. Afinal o que tanto o levava a anotar naquela misteriosa agenda?

Numa noite, resolvemos curtir uma “tratoria” a tomar um bom vinho e ouvir o tecladista, que se apresentava de acordo com rol de eventos exposto à portaria do hotel. Quando de repente, eis que surgi a sentar-se numa das mesas um pouco afastada, a colocar sua agenda sobre ela, a ter o atendimento do garçom, que o trouxe uma garrafa de vinho e uma taça, onde servido bebericou o liquido como um “sommelier”, a degustá-lo sobre a qualidade do “buquê”, que nos pareceu aprovar e solicitar a completar a taça com vinho e, passar a folhear sua enigmática agenda, que tanto me incomodava. Mas o que se há de fazer;  aceita-la ou desconhecê-la ?

 Com o passar do tempo, me dirigi ao toalete e nova surpresa, ao ver o tal cidadão deixar um dos box de vaso sanitário e se introduzir a outro e logo deixá-lo. Deparando-se comigo, que me ocupava do lavatório, sem ação me pareceu, ao olhar-me através do espelho, expõe um semblante de olhar circunspecto a esboçar um sorriso insólito e, cumprimentou-me a dizer que estava ali em missão literária, a copilar elementos manuscritos atrás das portas, expostos por anônimos “poetas e filósofos, em seus momentos reflexivos e solitários, ao se utilizarem das dependências restritas às necessidades fisiológicas, a extravasar os sentimentos que lhes são tomados. Segundo revelou, o que me causou certa perplexidade, é que seu objetivo destinava-se a colher dados ao seu livro, que como professor universitário de literatura da língua portuguesa, esse desejo cultural já vem amadurando há anos, dada coleção iniciada quando ainda jovem e universitário, passou a colecionar como um “fraseologia ” fosse; se é que podemos assim dizer, ou um pesquisador pelo fraseado, pela locução e o significado do que a representa, quando é criada por se estar em total isolamento e solidão. Mas com o passar dos anos, a coleção passou a ser objeto de estudo, onde mesmo; como disse, não ser um psicólogo, aprofundou-se sobre a matéria complexa exposta, prioritariamente em reservados públicos, a demonstrar em simples, porém reveladoras escritas, o quão é na verdade e o que gostariam de ser e agir, mas se sentem pela frustração em não poder se libertar dos grilhões da sociedade que o vigia. Exemplificando, abriu a porta de um dos box a mostrar-me um dado copilado, onde se lia: Ah... Antônio se você soubesse.

Atordoado me pergunta: - Veja bem a frase e a interprete. Qual será o objetivo desse extravasamento de quem a escreveu?

Confesso que me juguei “incapaz” por “n” conclusões e razões. No que pese a interpretação da frase, dependerá da cabeça de cada um ao lê-la, principalmente se levando em conta ao local a ser utilizado só por homens. Sem nada a dizer, meneei a cabeça e com exclamativo “tchau”, me retirei. Um tanto confuso e perplexo deixei o toalete, não podendo crer no que presenciara, e matei a curiosidade, achando que de louco cada um tem um pouco e que neste lugar solitário, onde a vaidade é desprezada, todo fraco faz força e ao contrário, todo valente se acovarda. Por isso só me resta dizer, o quão são pitorescos esse turistas intelectos ,imbuídos nas suas intrínsecas inteligências egocêntricas!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Postagens

A cueca, a calcinha e o Sherlock
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

A cueca, a calcinha e o Sherlock

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
As cabeças ornamentadas\as
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

As cabeças ornamentadas\as

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Um caçador de pererecas!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Um caçador de pererecas!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Padre Barbosa e o bode preto!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Padre Barbosa e o bode preto!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Cuidado com a língua!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Cuidado com a língua!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Anjo não tem sexo!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Anjo não tem sexo!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
À fama, os cavacos do ofício!!!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

À fama, os cavacos do ofício!!!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Vergonha não, apenas um descuido
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Vergonha não, apenas um descuido

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)