SÃO LOURENÇO ATUAL

Em Minas, com respeito cívico

Imagem de Tiradentes é obrigatória nos órgãos públicos

Em recente encontro com o promotor Marcos Paulo de Souza Miranda, ícone da cultura em Minas, também apresentador com o juiz Bruno Terra Dias, com o jornalista Manoel Hygino dos Santos e com o desembargador Doorgal Andrada, da trilogia “Restaurações Singulares no Brasil e Outras Experiências Acerca do Patrimônio Nacional”, de Eugênio Ferraz, avaliávamos, os três, a conveniência e oportunidade do lançamento dos dois primeiros volumes já editorados, que tiveram o apoio da CEMIG e da CBMM, versando sobretudo aspectos de manutenção - ou sua ausência, com seus elevados custos futuros neste caso - na área pública.

Deste instigante assunto, como era de se esperar, outros temas relativos aos valores maiores do processo civilizatório de Minas Gerais e do país vieram à baila. Nesse especial momento, em que o Chefe do Poder Executivo mineiro coloca em xeque a aposição de retratos do governante em órgãos públicos, argumentando ser contrário a culto da personalidade do gestor político, parece oferecer-se hora oportuna para lembrar à cidadania o conteúdo da Lei no 4.897, de 9 de dezembro de 1965 e do Decreto estadual no 9.220/65, impositivos da efígie do herói em escolas e repartições públicas, o que não pode ser olvidado.

De Minas Gerais, surgiu o mais importante movimento formador da identidade nacional; o patrono das artes no Brasil, Antonio Francisco Lisboa; os gritos republicanos dos Otoni; as esperanças, por mortes prematuras frustradas, de João Pinheiro e Tancredo Neves; a era desenvolvimentista de Juscelino Kubitschek; a reserva moral de Milton Campos; o sentido da responsabilidade de tantos nomes que se notabilizaram por obter ou buscar, com risco pessoal, o equilíbrio da Nação nos momentos mais conturbados e difíceis. Minas Gerais é pura memória!

A lei federal e o decreto estadual não merecem as prateleiras do esquecimento.

Sua eficácia deve ser resgatada, a alma de Minas Gerais deve ressurgir, como na Canção do Herói, de Marcus Viana, feita para a Comenda da Liberdade e Cidadania. Hora de se aprumar, endireitar a coluna, escolher o bom caminho, orientar os que se dispersaram e fortalecer a civilidade, com apoio das instituições e das pessoas cujo espírito forjou-se nessa terra de minérios e atual concentrada tristeza; berço de quem sabe o peso de seus passos.

Sem qualquer resquício de promoção pessoal, a aposição da imagem de nosso herói maior, Joaquim José da Silva Xavier, patrono cívico da Nação, tal como determinado desde 1965, é imperativo, como exemplo e pilar ético para todos. Minas Gerais deve dar exemplo de civismo.

A Imprensa Oficial usava papel estocado para produzir os retratos oficiais, o que se pode fazer com a imagem de Tiradentes, para enaltecer o herói nacional e cumprir a lei, aproveitando as molduras existentes; respeito, zelo e probidade.

Bruno Terra Dias, juiz de direito, escritor, ex-presidente da AMAGIS e Eugenio Ferraz, engenheiro e jornalista, ex-superintendente do Ministério da Fazenda em MG e ex-diretor–geral da Imprensa Oficial, ambos membros do IHGMG.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Em Minas, com respeito cívico

Em recente encontro com o promotor Marcos Paulo de Souza Miranda, ícone da cultura em Minas, também apresentador com o juiz Bruno Terra Dias, com o jornalista Manoel Hygino dos Santos e com o desembargador Doorgal Andrada, da trilogia “Restaurações Singulares no Brasil e Outras Experiências Acerca do Patrimônio Nacional”, de Eugênio Ferraz, avaliávamos, os três, a conveniência e oportunidade do lançamento dos dois primeiros volumes já editorados, que tiveram o apoio da CEMIG e da CBMM, versando sobretudo aspectos de manutenção - ou sua ausência, com seus elevados custos futuros neste caso - na área pública.

Deste instigante assunto, como era de se esperar, outros temas relativos aos valores maiores do processo civilizatório de Minas Gerais e do país vieram à baila. Nesse especial momento, em que o Chefe do Poder Executivo mineiro coloca em xeque a aposição de retratos do governante em órgãos públicos, argumentando ser contrário a culto da personalidade do gestor político, parece oferecer-se hora oportuna para lembrar à cidadania o conteúdo da Lei no 4.897, de 9 de dezembro de 1965 e do Decreto estadual no 9.220/65, impositivos da efígie do herói em escolas e repartições públicas, o que não pode ser olvidado.

De Minas Gerais, surgiu o mais importante movimento formador da identidade nacional; o patrono das artes no Brasil, Antonio Francisco Lisboa; os gritos republicanos dos Otoni; as esperanças, por mortes prematuras frustradas, de João Pinheiro e Tancredo Neves; a era desenvolvimentista de Juscelino Kubitschek; a reserva moral de Milton Campos; o sentido da responsabilidade de tantos nomes que se notabilizaram por obter ou buscar, com risco pessoal, o equilíbrio da Nação nos momentos mais conturbados e difíceis. Minas Gerais é pura memória!

A lei federal e o decreto estadual não merecem as prateleiras do esquecimento.

Sua eficácia deve ser resgatada, a alma de Minas Gerais deve ressurgir, como na Canção do Herói, de Marcus Viana, feita para a Comenda da Liberdade e Cidadania. Hora de se aprumar, endireitar a coluna, escolher o bom caminho, orientar os que se dispersaram e fortalecer a civilidade, com apoio das instituições e das pessoas cujo espírito forjou-se nessa terra de minérios e atual concentrada tristeza; berço de quem sabe o peso de seus passos.

Sem qualquer resquício de promoção pessoal, a aposição da imagem de nosso herói maior, Joaquim José da Silva Xavier, patrono cívico da Nação, tal como determinado desde 1965, é imperativo, como exemplo e pilar ético para todos. Minas Gerais deve dar exemplo de civismo.

A Imprensa Oficial usava papel estocado para produzir os retratos oficiais, o que se pode fazer com a imagem de Tiradentes, para enaltecer o herói nacional e cumprir a lei, aproveitando as molduras existentes; respeito, zelo e probidade.

Bruno Terra Dias, juiz de direito, escritor, ex-presidente da AMAGIS e Eugenio Ferraz, engenheiro e jornalista, ex-superintendente do Ministério da Fazenda em MG e ex-diretor–geral da Imprensa Oficial, ambos membros do IHGMG.

Veja também

sample52
Luís Cláudio de Carvalho
Luís Cláudio de Carvalho

Em defesa da política

sample52
Jorge Eduardo Marques Pereira
Jorge Eduardo Marques Pereira

Zapeando 05/02/2019

sample52
Luís Cláudio de Carvalho
Luís Cláudio de Carvalho

Quanto pior, pior

sample52
José Luiz Ayres
José Luiz Ayres

“Don Juan” caiu do cavalo!!

Publicidade

Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)