SÃO LOURENÇO ATUAL

Eu já sabia

Ainda bem. Do contrário, seria pior

Por Luís Cláudio de Carvalho

O Brasil acompanhou, no início desse ano legislativo, as eleições dos presidentes da Câmara e do Senado Federal. Os deputados federais, com muita tranquilidade e em comum acordo com o governo, reconduziram ao cargo Rodrigo Maia (DEM). Os senadores, após muitos tumultos, vexames e "socorro" do STF, elegeram o desconhecido Davi Alcolumbre (DEM), também candidato do governo, declarado após protestos e vetos ao nome do candidato inicial, Renan Calheiros (MDB). As duas eleições foram resultados de articulações, negociações e conchavos, ações normais nos parlamentos, que são espaços essencialmente políticos e a alma da democracia. Que o presidente Bolsonaro, ao contrário do que propalou durante a campanha eleitoral, ia ter que negociar com a classe política, eu já sabia. Ainda bem. Nenhum governo consegue êxito sem ter apoio da maioria da classe política ou, pelo menos, boa expectativa desse apoio. Sem negociação, e agora é que vão começar pra valer, não tem como aprovar as tão necessárias reformas.

O fato é que, conforme suspeitei com antecedência, a base do governo é o DEM, ex-PFL, oriundo da ARENA, com grande participação do PSDB, PTB, PP e até parte do MDB, partidos que têm lideranças envolvidas em escândalos e corrupções que vieram à tona nos últimos tempos. Para aqueles que acreditavam que o "Mito" seria diferente e ia ter equipe e apoiadores puritanos deve ter sido uma decepção. Para a maioria da classe política e das pessoas que têm alguma experiência na área, tudo transcorre normalmente. Particularmente, entendo que isso não compromete a expectativa de mudança. Se vai ser para melhor ou para pior, dependerá da firmeza e da capacidade de liderança e articulação do governo, coisa que Bolsonaro, por si só, não tem.

Quanto à política e suas nuances, é extremamente importante que ela continue existindo e seja, até, fortalecida. É claro que as velhas práticas, especialmente as espúrias e de interesses puramente pessoais, necessitam ser abolidas. De uns tempos pra cá, está havendo uma demonização da política, especialmente por parte da imprensa e de alguns novatos, e isso não é bom. Anular a política é anular a democracia, a discussão, o debate e as qualidades daqueles que têm capacidade de liderança e de articulação. Os fatores positivos da política podem e devem ser usados para definir novos rumos e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Eu já sabia

Por Luís Cláudio de Carvalho

O Brasil acompanhou, no início desse ano legislativo, as eleições dos presidentes da Câmara e do Senado Federal. Os deputados federais, com muita tranquilidade e em comum acordo com o governo, reconduziram ao cargo Rodrigo Maia (DEM). Os senadores, após muitos tumultos, vexames e "socorro" do STF, elegeram o desconhecido Davi Alcolumbre (DEM), também candidato do governo, declarado após protestos e vetos ao nome do candidato inicial, Renan Calheiros (MDB). As duas eleições foram resultados de articulações, negociações e conchavos, ações normais nos parlamentos, que são espaços essencialmente políticos e a alma da democracia. Que o presidente Bolsonaro, ao contrário do que propalou durante a campanha eleitoral, ia ter que negociar com a classe política, eu já sabia. Ainda bem. Nenhum governo consegue êxito sem ter apoio da maioria da classe política ou, pelo menos, boa expectativa desse apoio. Sem negociação, e agora é que vão começar pra valer, não tem como aprovar as tão necessárias reformas.

O fato é que, conforme suspeitei com antecedência, a base do governo é o DEM, ex-PFL, oriundo da ARENA, com grande participação do PSDB, PTB, PP e até parte do MDB, partidos que têm lideranças envolvidas em escândalos e corrupções que vieram à tona nos últimos tempos. Para aqueles que acreditavam que o "Mito" seria diferente e ia ter equipe e apoiadores puritanos deve ter sido uma decepção. Para a maioria da classe política e das pessoas que têm alguma experiência na área, tudo transcorre normalmente. Particularmente, entendo que isso não compromete a expectativa de mudança. Se vai ser para melhor ou para pior, dependerá da firmeza e da capacidade de liderança e articulação do governo, coisa que Bolsonaro, por si só, não tem.

Quanto à política e suas nuances, é extremamente importante que ela continue existindo e seja, até, fortalecida. É claro que as velhas práticas, especialmente as espúrias e de interesses puramente pessoais, necessitam ser abolidas. De uns tempos pra cá, está havendo uma demonização da política, especialmente por parte da imprensa e de alguns novatos, e isso não é bom. Anular a política é anular a democracia, a discussão, o debate e as qualidades daqueles que têm capacidade de liderança e de articulação. Os fatores positivos da política podem e devem ser usados para definir novos rumos e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Veja também

sample52
Luís Cláudio de Carvalho
Luís Cláudio de Carvalho

Em defesa da política

sample52
Jorge Eduardo Marques Pereira
Jorge Eduardo Marques Pereira

Zapeando 05/02/2019

sample52
Luís Cláudio de Carvalho
Luís Cláudio de Carvalho

Quanto pior, pior

sample52
José Luiz Ayres
José Luiz Ayres

“Don Juan” caiu do cavalo!!

Publicidade

Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)