SÃO LOURENÇO ATUAL

Levi e seu dia de cão

Levi e seu dia de cão

OUVIR POSTAGEM

Como sempre lá estava eu na estação ferroviária de São Lourenço àquela manhã de sábado, a prosear e curtir com alguns amigos a movimentação de turistas que se aglomerava a circular entre o saguão e a plataforma, onde o Trem das Águas aguardava a hora da partida. De repente, um cão surge em meio às pessoas na plataforma. Com o assobio característico ao chamamento de cães, um senhor postado á porta de acesso, próximo a nós, virando-se a mim, teceu comentários preocupantes, após o animal não atendê-lo e se esgueirar por entre as pernas dos transeuntes e desaparecer sob o vagão. Sua apreensão deveu-se, a algum possível obstáculo ou mesmo às ferragens dos trucks das rodas, pois poderia se prender, e óbvio seria o seu fim.

Concordando em parte com o comentário, limitei-me apenas, menear a cabeça e dizer que o animal saberia, por instinto de preservação, se defender. Mantendo o diálogo, o senhor resolveu contar uma passagem ocorrida na sua infância, a qual nunca se esqueceu ao longo da sua vida. Daí a preocupação com aquele “vira-lata”.

Dizia ele, que aos nove anos de idade, morando na Cidade de Andrade Pinto (RJ), e por ser a localidade, na época, local desprovido de recursos, se via na obrigação de percorrer diariamente alguns quilômetros até ao grupo escolar. Toda manhã por volta das 06 horas, conduzindo suas sacolas: uma com material escolar e a outra com a merenda, apeava o leito da ferrovia em direção a Paraíba do Sul. Esta caminhada era sempre acompanhada pelo seu cão de nome Reco, que na escola o aguardava no pátio de recreio até o término das aulas ás 12 horas, onde pegava a via de retorno a casa.

Numa ocasião, Levi conforme se identificou, retornava e como de hábito alegre caminhando, soltava seu amigo Reco da correia que o prendia à coleira, a fim de que pudesse em liberdade, participar das brincadeiras durante o exaustivo e maçante percurso. Entre carinhos, afagos e esconde-esconde atrás das touceiras de capim limão, margeante ao leito ferroviário, ao acoitar-se numa das moitas, deparou-se com uma cobra. Apavorado, gritando ao afastar-se, Reco se chega e salta sobre ele ao encontrá-lo. Nesse momento a víbora se sentido, talvez atacada, se lança em bote sobre eles, cujo cão como um escudo protege Levi, que desesperado sai em disparada sobre os trilhos. Mais adiante, ao voltar-se, vê o animal caído sobre os trilhos tentando erguer-se. Tomado pelo pavor, chorando se aproximou do amigo, sem antes ao redor, observar a ausência da cobra. Ao abaixar-se, observa que a coleira estava presa na junção da emenda dos trilhos. Esforçando-se para removê-la, com grande dificuldade, pois Reco agitado e ganindo dificultava ainda mais a sua remoção, entra em desespero ao ouvir o apito do trem. Ao erguer a cabeça, observa ao longe no início da reta, o ponto negro oscilante expelindo vapor e fumaça. Em pânico, desesperado, tenta em vão arrancar de qualquer maneira a coleira que enganchada ao trilho cada vez mais fica difícil para uma criança sacá-la. Deixando Reco que se debatia, sai a correr sobre a linha na direção do trem, a gesticular e saltar com a finalidade de chamar a atenção do maquinista. Á medida que o trem se aproximava, o apito insistente passou a ecoar. Levi sentindo que o trem não pararia, deixou os trilhos sem antes dar o último olhar ao seu amigo que se debatia e gania e, á margem do leito, cobriu o rosto em choro convulsivo deitando-se ao chão. Não demorou o barulho, o calor e o vapor da Maria Fumaça e os vagões passam ao lado. Sem coragem para erguer-se, inerte e chorando permaneceu deitado.

De súbito, uma voz seguida de um afago em sua cabeça, alguém fala: - Filho, pode se levantar, seu cachorro está aqui, segure-o!
Abrindo os olhos, ainda sem conter a convulsão pelo choro, vê seu amigo nos braços do homem, que lhe entrega e o abraçou comprimindo ao seu peito, a estampar um largo sorriso.

Na cabine da locomotiva do cargueiro, após contar como tudo aconteceu ao maquinista e o homem verificar que o cão não foi mordido pela víbora, já que não havia sinais; tanto externo como de debilidade do animal, que caracterizasse a evolução positiva da peçonha, chamou atenção, entretanto, um detalhe. A marca dos dentes da serpente estava gravada na coleira de Reco. Portanto, a coleira que o salvou foi a mesma que quase matou seu amigo fiel.

A bordo da Maria Fumaça, lá se foram Levi e seu amigo, de carona, após o menino ter o seu dia de cão!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Postagens

Anjo não tem sexo!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Anjo não tem sexo!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
À fama, os cavacos do ofício!!!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

À fama, os cavacos do ofício!!!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Vergonha não, apenas um descuido
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Vergonha não, apenas um descuido

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Um conto do “Vigário”
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Um conto do “Vigário”

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Nem tanto nem quanto, Santo-Ofício!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Nem tanto nem quanto, Santo-Ofício!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
As “serpentes” são sempre traiçoeiras...
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

As “serpentes” são sempre traiçoeiras...

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Violência, sucumbida pela razão. Sonho?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Violência, sucumbida pela razão. Sonho?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
A regra terá sido exceção?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

A regra terá sido exceção?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)