SÃO LOURENÇO ATUAL

MENU
Logo
Terça, 22 de setembro de 2020
Publicidade
Publicidade

Coluna

O Santo do pau oco e suas agruras...

Achou que seria fácil

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 

Santo do Pau Oco e suas agruras

            Desta vez àquele mês de julho, nossa temporada de inverno teve um atrativo a mais, com as festividades  comemorativas dos 35 anos  de casados do casal proprietário do hotel à cidade de Lambari, MG.   Na sexta-feira às 18 horas, lá estávamos juntamente com bom número de convidados, a participar da missa a ser realizada, onde no altar, o casal aguardava ansioso o início da celebração, enquanto as laterais os três filhos, cinco netos dos homenageados e mais dois casais se mantinham atentos, à espera do momento em que participariam das leituras inseridas durante o ritual litúrgico.

            Iniciada a missa, procedidos aos  ritos, efetuadas as leituras e já à homilia com o celebrante em oratória a enaltecer a vida dos homenageados, onde uma plateia em total silêncio ouvia respeitosamente as belas e dignas palavras elogiosas do vigário, de repente um som flatuoso, característico de “peido” ecoou por toda a nave da igreja em acústica, distribuído pelos sistema de som, em alongada duração.

            Surpreso, o público que silencioso e atento ouvia a bela locução, alvoroçou-se entre murmúrios e risos, o que levou o vigário a interromper a oratória, virando-se aos parentes ao lado no altar, mais precisamente as crianças que se escangalhavam de rir efusivamente, com certo humor diz: - Algo de estranho soprou  diferente   ao microfone!!!

            Observando a cena, contendo o riso, notei que um dos senhores ali junto aos parentes, - por sinal amigo há anos dos homenageados, - de fisionomia carrancuda dava mostras de insatisfação. Retomada a oratória, prosseguiu a cerimônia, embora entre os netos os risos permanecessem a evidenciar que houve de fato alguma molecagem por parte da  criançada.

            Durante os cumprimentos de praxe, à fila formada o assunto em questão, era sem dúvida a sonoplastia dos “fogos havido”, na sonorização dos “peidos” , que um dos netos devido a constância daquele cidadão que se mostrou carrancudo, vinha empesteando o local sem nenhuma parcimônia. Por azar do peidorreiro, justamente aquela flatulência  a qual foi ao ar, veio dotada de muito barulho, do tipo “motor de motocicleta” em longa duração.

            Moral da história: Peidorreiros especializados devem ter sempre o cuidado e a discrição a evitar contratempos, mesmo quando um microfone à mão de uma criança seja um eminente perigo à molecagem... Já que pelo odor, não dá para saber quem seria o autor.

            Ah... Esses turistas que se julgam senhores de si, achando pela vivência que nunca serão surpreendidos em seus anseios naturais, sempre estarão sujeitos  a momentos hilariantes muito mais que pitorescos...

Comentários:

Deixe sua mensagem para a redação ;)