SÃO LOURENÇO ATUAL

Padre Barbosa e o bode preto!

Padre Barbosa e o bode preto!

OUVIR POSTAGEM

Recorrendo as histórias contadas pelo meu saudoso amigo monsenhor Barbosa, lembro-me entre tantas, um episódio o qual foi obrigado pelas circunstâncias, a tomar uma atitude enérgica, fora dos seus padrões de passividade e bondade, tal a situação que naquele vagão de trem era desenvolvida entre os passageiros.

Após passar a noite numa fazenda na zona rural de Parapeuna (RJ) devido a solicitação em ter que ministrar o sacramento da extrema-unção a um velho ex-escravo, que veio a falecer logo a seguir no alto dos seus 104 anos, se viu obrigado a permanecer à fazenda pela falta de transporte, já que o trem com destino a Rio das flores, só na madrugada do dia seguinte às 5 hs.

Embarcado no vagão-misto, o qual era destinado ao transporte não só de passageiros, mas sim a todo o tipo de mercadorias, pequenos animais como: aves; porcos; cachorros entre tantos outros, amarrados de verduras, legumes, etc. La ia padre Barbosa em pé seguro ao balaustre, quando passou a observar que o clima reinante, dava sinais de conturbação. De súbito ao fundo do vagão, um falatório se sobressai, - no que pensem o alarido dos animais como os cacarejos das galinhas, o grasnarem de gansos, piados e cantos de pássaros, roncos de porcos e o vozerio dos passageiros - a chamar a atenção de todos, tal o bate-boca que se generalizava. Barbosa que em meio à confusão, toma conhecimento do entrevero, tenta caminhar até o “olho do furdúncio”, e se depara com o grupo de pessoas a exigir que um senhor deixasse o trem na próxima parada, pois do contrário jogariam porta a fora o seu bode preto, já que o cheiro do animal estava empesteando o vagão. Claro que o homem se negava a deixar o trem e muito menos que matassem seu bicho de estimação. Mas sem ter defesa e a quem recorrer, pôs-se a frente do bode tentando dissuadir aos que os atacavam.

Padre Barbosa, sentindo que a massa enfurecida continuava irreversível quanto à intenção de lançar o pobre animal do vagão em movimento, empurrando o grupo, juntou-se ao homem acuado e virando-se aos inconformados, com o dedo em riste a cada um, impôs a sua religiosidade em defesa do pobre animal, a vociferar dando de Jesus Cristo quando expulsou os vendilhões do Templo, a chamá-los à consciência da atrocidade que tencionavam fazer, esquecendo que o animal não pediu para ter essa característica não odorosa e que naquele vagão outros animais eram conduzidos sem que os descriminassem. Como aquele dia, era 4 de outubro, e como tal dia celebrado a São Francisco de Assis, cujo o cunho histórico a simboliza como o protetor dos animais, aproveitou para pedir a todos, principalmente os que tinham animais sob suas guardas, a se juntarem próximo a ele, pois daria a benção não só aos irracionais como os racionais, por intercessão de São Francisco de Assis. Retirando de valise um recipiente com água benta, com ajuda do dono do bode, pediu a todos silêncio, fazendo Sinal da Cruz onde todos o seguiram e deu inicio a oração, sem deixar de rogar ao padroeiro perdão por aqueles que se insurgiram contra o bode num momento de descontrole emocional. Após a conclusão da oração, asperjou a água sobre os animais, primeiramente, e logo a seguir a todos, que contritos receberam a graça sob as benções de Padre Barbosa por intercessão de São Francisco de Assis, com calma voltando a imperar. Óbvio que o bode preto, com todo seu “odor” não mais foi motivo de discórdia e todos passaram a ter seus semblantes demonstrando serenidade e uma paz incomensurável, cuja prevalência passou a ser exercida e regozijada pelos animais notadamente entre os pássaros, em belos cantos, gorjeios e trinados como agradecendo pela vida o pobre bode preto, salvo por padre Barbosa em conter a fúria dos racionais.

 

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Postagens

Cuidado com a língua!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Cuidado com a língua!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Anjo não tem sexo!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Anjo não tem sexo!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
À fama, os cavacos do ofício!!!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

À fama, os cavacos do ofício!!!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Vergonha não, apenas um descuido
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Vergonha não, apenas um descuido

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Um conto do “Vigário”
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Um conto do “Vigário”

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Nem tanto nem quanto, Santo-Ofício!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Nem tanto nem quanto, Santo-Ofício!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
As “serpentes” são sempre traiçoeiras...
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

As “serpentes” são sempre traiçoeiras...

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Violência, sucumbida pela razão. Sonho?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Violência, sucumbida pela razão. Sonho?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)