SÃO LOURENÇO ATUAL

Um caçador de pererecas!

Um caçador de pererecas!

OUVIR POSTAGEM

Mais uma vez me reporto ao saudoso chefe de trens, Miguel, a contar suas histórias, as quais trazem sempre bons episódios dignos de serem recordados e que os tenho em nossa coletânea. Assim sendo, obviamente me utilizo de um fato, que de certa forma causou enorme repercussão; não só por aqueles que presenciaram, mas junto ao pessoal da ferrovia, tal a desenvoltura que o evento inusitado provocou pela raridade do fato em si, e como à maneira com que Miguel o absorveu sem perder a imperturbável serenidade.

Subia a serra da Mantiqueira o expresso da tarde, tracionando além dos vagões de costume, o vagão especial conduzindo os passageiros destinados ao Hotel Cassino de Caxambu, quando em determinado momento, Miguel que àquele instante inspecionava o suntuoso vagão, é pego de surpresa por um grito de uma elegante mulher, que o havia indagado sobre o toalete minutos antes, assim que penetrou no vagão a conferir os bilhetes especiais. Assustando-se, como os demais passageiros, apressou-se em chegar à porta do toalete, onde outros gritos se fizeram ouvir. Não perdendo tempo, acionou a maçaneta e a porta não se abriu; estava trancada. Forçando-a, de súbito se escancara e, estarrecido, depara-se com uma cena “inimaginável”. Colada ao madeiramete, a mulher cujo semblante mostrava-se apavorante, com os olhos quase a saltarem das órbitas, tinha sua vestimenta elevada à altura da cintura com suas peças íntimas arriadas aos joelhos a mostrar a genitália, desnuda. Apontando com o dedo da mão que se segurava ao balaustre do toalete o possível lugar, num sussurro quase inaudível diz: -- Uma perereca! Tire-a daí!

Miguel estático e boquiaberto direciona o olhar ao suposto local e vê sobre os pêlos pubianos o pequeno batráquio que se camuflava com a coloração da região, só observado através dos pequenos movimentos que efetuava. Sobre o impacto da cena, olha a pobre mulher e pede que a tire, pois o bicho não morde. Como não o obedeceu, e, sem saber como agir, já que o local mal dava para ambos e o espaço reduzido dificultaria a “operação resgate”, Miguel pedindo desculpa por ter que tocá-la, agacha-se e com as pontas dos dedos, como pinça, segura o animal e tenta desalojá-lo, evitando puxar os pêlos. Só que por essa delicadeza não obteve sucesso, vez que suas ventosas das patas mantinham-se aderida à pele pela sucção. Com mais coragem, com auxilio da mão esquerda, procurou afastar mais os pêlos e com um puxão, mesmo sob pressão da perereca, conseguiu sacá-la após urros e gemidos da desafortunada mulher.

Erguendo-se, tendo o bicho pinçado aos dedos, mostra-lhe ainda colados as patas fios de pêlos pubianos. Com a perereca à mão, deixa o toalete a fechar atrás de si a porta, a dizer aos preocupados passageiros que tudo não passou de um susto e que todos se acalmassem, pois coisas deste tipo são comuns a nós, os interioranos, e novidades a vocês das grandes cidades. Abrindo a porta da varanda, lançou a pequenina perereca sobre a vegetação margeante à linha férrea, pois provavelmente havia se mantido bem assustada ao se utilizar de uma “vegetação” bem diferente a do seu habitat.

Retornando ao vagão a dar seguimento à rotina, lá foi Miguel a executar a sua tarefa como se nada houvesse ocorrido; no que pese ao passar pela tal mulher, vítima da perereca, receber seus agradecimentos pela sobriedade e respeito e acima de tudo a dignidade como homem, diante de um momento tão insólito e delicado.

Porém, só uma coisa causou desagrado a Miguel; ou seja, as línguas ferinas. Não é que houve repercussão do episódio? Como foi possível tal coisa, se no vagão o fato não foi comentado e muito menos visto por alguém? É”..., provavelmente, aquele exemplar batráquio era um macho e resolveu espalhar, ‘coaxando” a sua aventura pelo brejo, a chamar à atenção sobre as outras pererecas, que “enciumadas”, procurariam se esquivar de seu possível novo assédio!

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Postagens

A cueca, a calcinha e o Sherlock
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

A cueca, a calcinha e o Sherlock

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
As cabeças ornamentadas\as
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

As cabeças ornamentadas\as

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
De louco cada um tem um pouco!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

De louco cada um tem um pouco!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Padre Barbosa e o bode preto!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Padre Barbosa e o bode preto!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Cuidado com a língua!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Cuidado com a língua!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Anjo não tem sexo!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Anjo não tem sexo!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
À fama, os cavacos do ofício!!!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

À fama, os cavacos do ofício!!!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Vergonha não, apenas um descuido
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Vergonha não, apenas um descuido

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)