SÃO LOURENÇO ATUAL

Uma ópera buffa e seus personagens

Uma ópera buffa e seus personagens

OUVIR POSTAGEM

Com o término da 2ª Guerra Mundial, tornaram-se comuns e notórios se ouvir aos quatro cantos do país, histórias e episódios inerentes a atos de bravuras e heroísmo, passagens dramáticas, momentos tristes e lamentáveis, enfim o que surgiam de fatos escabrosos, tendo a guerra como palco de verdadeiro cenário belicoso, narrado por centenas de pessoas que tiveram; amigos, parentes e conhecidos de parentes e amigos, envolvidos, era uma grandeza, onde a criatividade aflorava baseada em filmagens, fotos e radiofotos dos campos de batalhas, trazida pelos corajosos correspondentes de guerra e, que eram transformados através dos “narradores e contadores” em episódios fantasiosos extraído de férteis imaginações.

Seu Olavo, um senhor que conheci em Juiz de Fora, que como eu também é um romântico e pesquisador sobre trens e ferrovias, dedicando-se a narrar histórias em que os trens foram o ponto nevrálgico de episódios, contou-nos uma estranha e curiosa passagem, que deixou por bom tempo, tantos os funcionários das ferrovias, como os usuários dos trens, que operavam à zona da mata mineira, apavorados.

Segundo dizia-se, entre as cidades de Teófilo Otoni e Elbank, por ser região muito próspera, não só pela agropecuária como na fertilidade do solo, havia grande interesse pelos poderosos latifundiários à aquisição de terras. Só que quem as possuía, além de querer muito dinheiro, simplesmente ficava a especular preços.

Não sabendo de onde partiu o boato inicial, a dizer que num determinado trecho da ferrovia, passou a ser visto como “sobrenatural”, pela presença de um vulto fantasmagórico a perambular margeante ao leito férreo, ou às vezes visto ao alto dos morros, a assustar e causar pânico; inclusive, dizia-se que a tal figura parecia muito com o déspota Adolpho Hitler, por possuis inúmeras características pessoais do ditador, como: bigodinho, botas de cano alto, calça culote, passos firmes entre outros detalhes, sem mencionar a suástica, símbolo do hitlerismo. Aquela boataria foi vinda num crescente de forma avassaladora, fazendo com que as pessoas que o viam, jurassem de pés juntos que se tratava realmente do alemão. Entre os maquinistas, todos sem exceção, confirmavam que era o monstro nazista, que escolhera o Brasil, para vingar-se do também ditador Getúlio Vargas, que o traiu ao declarar guerra à Alemanha.

Com a atordoar em plena ascensão, até mesmo a dominar os mais incrédulos, alguns fazendeiros levados pela preocupação, colocavam suas propriedades a venda, o que veio a causar certa desvalorização, pois aquela medonha figura, que por anos amedrontou o mundo, estava agora de volta no Brasil, como um fantasma levando o pavor à pacata região num vale do medo. Brigadas foram formadas a saírem leito afora, à busca de qualquer indício do ditador e nada conseguiram, com as aparições mantendo-se constantes pelos relatos dos maquinistas. Portanto, cada vez mais se solidificava o boato, que a essas alturas, começava pela plenitude da divulgação a ter certa gravidade.

Até que certo dia, um peão que recolhia o gado no pasto, encontrou junto a um secular pé de Jatobá, uma já bem deteriorada mala, que ao abri-la, nota além de um fardamento cinza, um quepe, um par de botas cano longo e um rebenque. Assustado em princípio, recolheu os pertences a colocá-los à mala e retornou à fazenda, onde entregou ao seu patrão, que ciente do achado, passou às mãos da polícia, no intuito de esclarecer o mistério do fantasma do Hitler, dado ser o uniforme do exército germânico. Há meses que tal figura vem colocando em polvorosa a pacata população rural de parte da zona da mata mineira.

Embora aquela descoberta tivesse tranqüilizado toda a aparente e apavorada comunidade ruralista, ainda havia quem duvidasse que o alemão do bigodinho fosse um trapaceiro em se fazer de assombração, Certamente pago por algum latifundiário, com a incumbência em lesar os incautos e crédulos, pelo medo a ter que deixar suas terras, que se tornaram mal-assombradas.

Infelizmente, segundo o bem vivido Olavo, nunca se soube quem era o fantasma e, quem o pagou para que apavorasse aquela crédula, simples e humilde gente da zona da mata mineira. Mas, que a ferrovia em determinados trechos deixava os maquinistas e passageiros um tanto sobressaltados, isto não se discute; era comum ver e observar pessoas, se utilizarem de terços, a fazer suas orações. Sorte que esta crendice, ou lenda, morreu no nascedouro, sendo “enterrada” como as saudosas Marias-fumaça.

Mas que ainda, se é que estejam entre nós, algumas destas pessoas,a creem que os “fantasmas” continuam existindo, sejam eles de: Hitler, Musselines, Getúlio Vargas, Salazares, Francos, Saddans, Kadaff e outros tantos que tentaram dominar seus “feudos” e “reinos”, quiçá o mundo?

Já imaginou se esses fantasmas se unissem como no clipe do Michael Jackson (Thriller), que ópera teria?

Comentários

Quer mais artigos e as newsletters editoriais no seu e-mail?

Receba as notícias do dia e os alertas de última hora.
[CARREGANDO...]

Confira mais Postagens

Anjo não tem sexo!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Anjo não tem sexo!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
À fama, os cavacos do ofício!!!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

À fama, os cavacos do ofício!!!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Vergonha não, apenas um descuido
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Vergonha não, apenas um descuido

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Um conto do “Vigário”
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Um conto do “Vigário”

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Nem tanto nem quanto, Santo-Ofício!
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Nem tanto nem quanto, Santo-Ofício!

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
As “serpentes” são sempre traiçoeiras...
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

As “serpentes” são sempre traiçoeiras...

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Violência, sucumbida pela razão. Sonho?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

Violência, sucumbida pela razão. Sonho?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
A regra terá sido exceção?
José Luiz Ayres
José Luiz AyresColunista

A regra terá sido exceção?

Posts do Colunista Ver Esta Postagem
Fale com a redação!

Deixe sua mensagem para a redação ;)